03 dezembro, 2006

A blogosfera, os comentadores e os boatos

Há um ano atrás, esta coisa da blogosfera era para mim um quase mistério. Já por lá tinha feito uma ou outra incursão, mas sempre sem grande interesse. Hoje, sou um blogodependente.

Estou, por isso, preocupado com aquilo que tenho ouvido e lido a muitos comentadores (a expressão inglesa “opinion makers” é mais correcta, por ser isso mesmo aquilo que eles são). Segundo eles, a blogosfera contem em si mesma um terrível mal, ao permitir a divulgação de mentiras e a difamação de pessoas inocentes. Defendem por isso um maior controlo sobre quem escreve e aquilo que é escrito. Esta opinião nem sequer é restrita a comentadores de direita ou de esquerda, já que é comum a todo o espectro político, o que a torna ainda mais perigosa.

Temos de reconhecer que existem, efectivamente, alguns abusos, mas, se olharmos com algum distanciamento poderemos ver que aquilo que se passa, não é mais que a transformação dos antigos “boatos” em formato digital. Aquilo que dantes, se espalhava como fogo em palha seca, de boca em boca, nas ruas, locais de trabalho e nas lojas é hoje transmitido em textos colocados em blogs. Isto, até me parece trazer algumas vantagens relativamente ao antigo modelo de boato público. A primeira é a de confinar o número de pessoas a que a ele têm acesso. Neste momento o boato não é repetido, mas somente a informação do nome do blog onde ele existe o é. É mais fácil e mais rápido dizer, “vai ao blog a ou ao blog b” do que estar a contar todo o boato de novo. Outra vantagem, e talvez a mais importante, é a de permitir ao alvo do boato saber aquilo que é dito sobre ele, podendo assim desmentir e defender-se. Com o boato tradicional, quantas vezes o ofendido nunca chegava a saber aquilo que todos diziam sobre a sua pessoa. Via os outros cochichar à sua passagem sem que ninguém tivesse a coragem de lhe dizer aquilo que sobre ele era dito. Agora têm as mesmas ferramentas utilizadas para divulgar o boato para se poder defender, a própria blogosfera.

Mas, isto são as consequências, e convinha saber de quem é a grande responsabilidade destes boatos digitais terem ganho a importância que ganharam.

Originalmente os blogs, serviriam simplesmente para serem utilizados como páginas pessoais, onde poderiam ser colocadas opiniões e ideias. Foram os jornalistas, profissão de onde saíram a maioria desses críticos comentadores, quem primeiro transformou a blogosfera numa nova forma de difundir a informação. Publicavam, nos seus blogs, as noticias que não eram dadas pelos órgãos de informação para os quais trabalhavam. Quantas vezes, nem informaram o seu jornal de uma determinada noticia, só para a darem no seu blog para lhe granjearem mais fama e chamar visitantes? Já agora, quantos destes boatos que correm pela blogosfera, não são responsabilidade desses mesmos jornalistas, que em artigos seus, lançaram a insinuação ou a suspeição? Não foram, afinal, os jornais os primeiros que difundiram tantas notícias que arruinaram a vida a tanta gente sem lhes darem sequer o direito a serem considerados presumíveis inocentes até prova em contrário? Não são eles também responsáveis por cada vez mais publico sentir que a informação, que lemos ou ouvimos nos jornais e televisões, é menos isenta e menos verdadeira que muita daquela que encontramos nos blogs?

Estas não eram as funções dos blogs, e se actualmente lá existem, é por culpa desses senhores jornalistas que agora se mostram tão preocupados com isso (o sentirem que aparecem na blogosfera melhores comentários e comentadores que eles, também pode ajudar a esta “preocupação”).

Devemos por isso defender a blogosfera naquilo que ela realmente é, um espaço de liberdade onde cada um de nós possa expressar o seu pensamento. Um espaço para compartilhar ideias e procurar caminhos. Um espaço nosso, livre de interferências e de quem nos queira dizer o que é bom ou mau.

Quanto aos boatos, continuarão a haver sempre, seja aqui ou em qualquer outro lugar.

7 comentários:

Esteva disse...

Pois é, não sei de que boatos falas, em concreto, mas acredito que seja apenas uma reflexão em abstracto. De qualquer modo a minha reflexão é esta: quem tem medo da internet e dos blogues tem medo de uma coisa SAGRADÍSSIMA: a liberdade. e quem tem medo da liberdade dos outros, está sempre à espreita da a coarctar ou de apoiar quem o faça (exemplo: o infame "patriot act" americano). É claro que do exercício da liberdade resultam sempre abusos, mas mais vale abusar da liberdade do que viver com medo de pensar, de falar, de supor.

Eu sou uma grnade defensora da net, pois acho q , através dela, os "níveis " de verdadeira liberdade de expressão aumentaram maravilhosamente: não só eu, mal informada, posso dizer o que penso, mas sobretudo posso ter acesso a fontes de informação independentes às quais, não fora a net, nunca teria acesso. Deste modo, este fabuloso meio virtual aumentou também a minha capacidade e as minhas oportunidades de pensar sobre o mundo.

Po isso: viva a net e os blogues todos, mesmo os difusores de boatos!

Kaos disse...

Esteva:
Efectivamente os boatos de que falo são generalistas. O que tenho notado é que muita gente, normalmente os tais "opinion Makers", tipo Pacheco Pereira, gento do eixo-do-mal, Miguel Sousa Tavares e muitos outros, têm manifestado a sua indignação por mentiras colocadas em blogs anonimos e que por isso escapam a processos judiciais. Como disse, isso preocupa-me pois pode vir a descambar num maior controlo sobre a internet. Este espaço, hoje livre, corre assim o perigo de se ver mais controlado. O que procurei dizer, é que, os abusaos que se passam, não são muito diferentes daquilo que havia antes no boato tradicional e que por isso deve ser encarado com naturalidade e não criando restrições a quem usa este meio de se exprimir. São também aqueles que gostam de ser mais mediaticos, de ser mais conhecidos que mais temem esta liberdade, pois sabem que serão sempre eles os maiores alvos, mas isso não justifica a perda da nossa liberdade. Impedir que estes senhores tentem, com os seu poder de fazer opinião, mudar o estado das coisas é importante. Pelo menos para mim este meio de me exprimir e de consultar outras opiniões tem sido das poucas coisas boas que existem actualmente ao nivel da informação neste pais. Acabar com isto seria colocar-nos nas mãos da mentira e do engano que fazem escola nos nossos meios de comunicação oficiais.
bjs

Outsider disse...

É realmente triste quererem limitar a liberdade de cada um. Compreendo o medo que está por trás destas "preocupações" dos nossos opinion makers... Eles já repararam que cada vez mais pessoas têm opiniões próprias e bem formadas, sem necessitarem das opiniões deles para nada. Pior, as opiniões deles são muitas vezes criticadas e desmanchadas através de bons argumentos, que eles não estavam à espera, e isso não pode ser. Há que proteger o seu ganha-pão...
Mas, nós cá continuaremos. Podem tentar calar-nos mas não vão conseguir!!!
Um Abraço.

Kaos disse...

Outsider:
Haverá alguns que terão essas razões, mas outros penso ser só uma reacção emocional ao "boato". Esquecem que ao dizer o que dizem acabam por colocar em causa a liberdade não só deles como de muitos outros. Sempre houve má-lingua e vai continuar a existir, seja na blogosfera ou em noutro qualquer lugar. Faz parte da natureza humana e não podemos deixar que com essa desculpa nos tirem esta ferramenta de liberdade da ponta dos dedos.
abraço

Jorge P.G. disse...

João, só escrevo para dizer que assino por baixo dos teus comentários.
Mais nada.

Um abraço.

Jorge

Kaos disse...

jorge:
obrigado

Anónimo disse...

Obrigado por Blog intiresny